FacebookYoutubePartilharRSS
Área Reservada
Caminhando

I Trilho Gondomar

O dia 7 de janeiro, sábado, foi a data escolhida do Plano AMUT`Caminhado para a primeira caminhada de 2017. Esta primeira aventura anual juntou um grupo de 80 AMUT’eiros, incluindo uma AMUT’eira estreante, a Dr.ª Cláudia Vieira, Adjunta do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Gondomar, mentora e grande responsável pelo nascimento e desenvolvimento de um extraordinário projeto para a valorização e proteção da natureza na Área Metropolitana do Porto, envolvendo os Municípios de Gondomar, Valongo e Paredes: o Parque das Serras do Porto.

Mais uma vez, e à semelhança do ano passado, juntaram-se aos AMUT’eiros alguns alunos da Escola Secundária de Gondomar que, orientados pela Sua Diretora de Turma, pretendem fazer o Caminho de Santiago ao longo deste ano.

O dia apresentou-se solarengo e frio, notando-se, nos sítios onde o sol ainda não tinha tocado, a natureza esbranquiçada pela geada noturna.

O trilho, desenhado pela AMUT, com cerca de 11km, cujo ponto de encontro foi em Béloi, junto à ponte e à Igreja, iniciou-se com uma breve visita à Capela da Nossa Senhora das Mercês, aberta para os AMUT`eiros pelo Sr. Manuel a quem agradecemos a gentileza e nos surpreendeu pelo seu bom estado de conservação e beleza.  

Iniciamos a caminhada com uma estonteante subida de cerca de 3 km, carinhosamente batizada de imediato como “Subida Isaura”, em homenagem a esta AMUT’eira tão corajosa, persistente e reclamadora sempre que nos encontramos com este tipo de dificuldades nos trilhos que percorremos.

A subida levou ao aquecimento e ajudou a desgastar as calorias acumuladas pelos excessos da época natalícia. Alcançado o cimo da Serra das Pias, regalamos os olhos com a amplitude panorâmica sobre a maravilhosa paisagem natural do Parque das Serras do Porto.

Iniciou-se a descida através de um estradão de terra batida com muita pedra solta, utilizada muitas vezes por desportistas de motas, bicicletas ou simplesmente a correr, e todos em convívio pacífico.

Num ápice, chegamos à outra ponte que atravessa o Rio Ferreira a montante do nosso ponto de partida, junto a uma das Aldeias de Portugal, a aldeia de Couce, encastrada entre duas serras, ali mesmo junto ao rio, onde cerca de doze pessoas teimam em viver, calma e sossegadamente, indiferentes à azáfama que se vive nos Centros Urbanos de Gondomar e Valongo, ali tão perto.

A aldeia, a uma distância de cerca de 20 km do centro da cidade do Porto, faz-nos pensar que nos encontramos muito mais longe e até mesmo a recuar no tempo. Apenas fica alguma amargura por ver que aquele lugar perdido no tempo se estar a degradar. Trata-se de um pequeno conjunto de casas em granito, lousa e outros materiais primários, com uma pequena capela e uma casa senhorial, com vielas feitas calçadas e uma localização digna de um filme… Sem dúvida um lugar magnífico bem pertinho do centro de Gondomar.

Saímos para o corredor ecológico, margem direita do Rio Ferreira, usufruindo da esplêndida beleza das suas duas margens, acompanhados pelas garças que ali vivem e espraiam as suas asas gigantes ao Sol para aquecerem. Com os muitos moinhos de água, a maioria, infelizmente, já em ruinas e com a paisagem pontuada na qual se vê um pastor descansando encostado a um centenário Carvalho, enquanto o seu rebanho de cabras e cabritas pastavam vigiadas pelo cão fiel e atento.

Mais uma pequena subida e chegamos ao Alto do Ramalho, um pequeno amontoado de casas, servido por arruamento em paralelo, onde se cultiva o espírito associativo, dado encontrarmos várias Sedes de coletividades.

Iniciamos a última descida que nos levou até ao local de partida, bem perto do restaurante Vicente, onde parte dos AMUT’eiros pôde repor as suas energias, enquanto outros regressaram a casa para fazer o mesmo.

Foi mais um sábado saudável feito de partilhas, alegria, relaxamento e na companhia de uma família AMUT’eira cada vez maior e mais divertida. Bem hajam!

O próximo encontro está marcado para 11 de fevereiro, com destino a Viseu, onde faremos um percurso de grande qualidade paisagística e monumental, guiados pela Elisabete Almeida, uma AMUT’eira nascida e criada em Terras de Viriato. Em breve disponibilizaremos a informação, pelos canais habituais, para a próxima aventura.