FacebookYoutubePartilharRSS
Área Reservada
Caminhando

VI Trilho da Pateira de Fermentelos - Águeda

Mais um sábado em que AMUT reuniu, frente à Camara Municipal de Gondomar, perto de uma centena de AMUT’eiros, que partiram em dois autocarros, próximo das 7h30, rumo à Pateira de Fermentelos, Águeda.

A viagem durou cerca de uma hora, ainda que com um pequeno lapso dos motoristas que nos levaram exatamente ao lado oposto da Lagoa, onde estava marcado o início do trilho. No momento da nossa chegada, o nevoeiro criou uma cortina tão densa, que a poucos metros mal se via a água da lagoa, mas, para espanto de todos, desapareceu num ápice, magicamente, para dar lugar a um céu marilhosamente azul, abrilhantado pelo Sol!

Após a paragem dos autocarros, era ver a filinha criada em direção ao restaurante para o desejado pequeno-almoço, que se alongou por mais de uma hora, atendendo ao elevado número de famintos para atender. Os primeiros que acabaram a energização foram-se juntando na margem da lagoa a contemplar o grande espelho de água, não fosse esta uma das maiores lagoas naturais da Península Ibérica!

Chegados os últimos, juntaram-se os AMUT’eiros para a foto de grupo, gravada pelas camaras dos muitos e cada vez melhores paparazis deste excelente grupo.

Terminado o registo pictográfico, iniciamos o percurso por um caminho de terra batida que, poucos metros à frente, se transformava num imenso lamaçal, fruto das chuvas intensas dos dias anteriores.

Todos passaram com distinção, gorando-se assim o apetite insaciável das objetivas de registos irrepetíveis: quem não pagaria um cafezinho para tirar aquela fotografia da queda aparatosa no lamaçal ou um simples pé atolado naquela “massa” pastosa de terra.

Mais um avanço, mais uma paragem, desta vez aproveitando dois passadiços que penetram na lagoa até duas estruturas parecidas com coretos, que serviram de miradouro e cenário para mais uma reportagem fotográfica.

Seguindo o trilho, saiu-se da margem e penetrou-se num caminho, também de terra batida, passando por entre bouças, junto a casas adornadas de capoeiros onde as galinhas, patos e galos cantores, levaram alguns a ambicionar, dada a proximidade da hora do almoço, por uma “cabidela ou um arroz de pato”. Risadas à parte, lá continuamos ao lado de vinhas, canaviais até atingimos o centro de Óis da Ribeira.

Era altura de pausa para descanso e reposição dos sais minerais, sentados nos bancos disponíveis, nos degraus ou no interior da confeitaria, onde foram saciadas as necessidades de cada um, antes de partir. Ainda se cantaram os parabéns à funcionária da confeitaria, provocando lágrimas no cantinho dos olhos, de emoção, da senhora Manuela, tornando o dia dela mais feliz.

Partimos para a última parte caminhada, descendo uma ruela onde atingimos o rio e seguimos junto às suas margens, acompanhados por um campo de milho; abandonado entretanto o rio, continuamos com o milho e um arvoredo que deu outra frescura ao percurso até á chegada à lagoa. 

Regressando ao ponto de partida que também era de chegada, o grupo dividiu-se: enquanto uns se instalaram para o picnic, nas mesas junto à Lagoa, outros dirigiram-se ao restaurante, mas todos com o mesmo objetivo: repor as energias, matar a fome e conviver alegremente.

O almoço estava prestes a terminar, quando a música se fez ouvir apelando a que saltassem para a pista, mostrando que o cansaço não atrapalhava uns passos de dança. Em dupla ou sozinhos, os AMUT’eiros mostraram a quem ali estava que se sabiam divertir e partilhar momentos de boa disposição.

Estava na hora de regressar ao autocarro e, como despedida daquele lugar maravilhoso, todos de mãos dadas formaram dois círculos, um mais pequeno no interior do maior, rodaram, ora para um lado ora para outro… e agora vai para dentro e, assim, foi improvisada uma lindíssima coreografia que poderia ser apelidada de “bailado à lagoa”.

Mais uma pequena viagem até ao centro de Águeda, para ver as ruas principais enfeitadas por guarda-chuvas coloridos suspensos que, neste caso, não serviam para abrigar da chuva, mas para dar colorido aos raios de Sol. Os caminheiros, aproveitaram o cenário para mais um passeio e mais umas fotos e mais um refresco, antes de regressar a Gondomar.

Os sábados de caminhada dos AMUT`eiros tornam o fim-de-semana mais longo, por ser bem mais divertido.

Mas como diz o ditado, “Rei morto, Rei posto”. Finalizada a nossa alegre viagem à Lagoa da Pateira, em Águeda, já estamos todos a pensar na próxima aventura dos AMUT’eiros: o “Trilho das Vinhas”, em Castelo de Paiva, marcada para o próximo sábado 15 de outubro de 2016, um percurso que privilegia a natureza, de grande beleza paisagística, com a floresta, o vinhedo, soutos e o ambiente rural em pano de fundo.